Skip to main

Brasil é o 3° país mais preocupado com violações de dados pessoais, de acordo com pesquisa da Unisys

O nível de preocupação dos brasileiros no que diz respeito à violação de dados pessoais fica atrás apenas dos holandeses e alemães, que ocupam, respectivamente, a primeira e a segunda colocações entre os 12 países pesquisados

São Paulo, 1 ​Julho de 2015 – O estudo Unisys Security Insights revelou que mais da metade (53%) dos brasileiros entrevistados se preocupa com uma violação em seus dados pessoais que são armazenados por empresas e agências do governo. Este resultado coloca o País atrás apenas da Holanda (59%) e Alemanha (58%) com os níveis mais altos de declarações sobre esta preocupação entre as 12 nações pesquisadas.

A pesquisa Unisys Security Insights ouviu consumidores em todo o mundo sobre a probabilidade de que seus dados pessoais, mantidos por sete tipos de organizações (companhias aéreas, bancos/finanças, governo, saúde, varejo, telecom e utilities) pudessem ser acessados por uma pessoa não autorizada no próximo ano, seja de forma acidental ou deliberada.

Entrevistados nos Estados Unidos são os menos preocupados, apenas 31% expressaram preocupação de que este tipo de violação ocorra, considerando todos os setores econômicos pesquisados.

Globalmente, os dados pessoais mantidos por provedores de telecomunicações são vistos como mais vulneráveis, 59% dos entrevistados em 12 países acreditam que seja provável uma violação. Os colombianos e brasileiros se mostraram ainda mais preocupados, com 71% e 67%, respectivamente. Os participantes nesses dois países indicaram que é provável que ocorra uma violação de dados com as empresas de telecomunicações dentro do próximo ano.

O governo é visto como o segundo setor mais vulnerável, 49% dos entrevistados em todas as nações participantes apontaram que é provável que ocorra uma violação dos dados armazenados por órgãos governamentais. No Brasil, este índice é de 60%, o que deixa o país atrás novamente apenas da Holanda (69%) e da Alemanha (61%).

O terceiro segmento econômico mais vulnerável na percepção das pessoas é o setor bancário, uma média global de 48% dos participantes do estudo apontou preocupação sobre seus dados. Alemanha e Holanda empatam em primeiro lugar na percepção do segmento com 63%, seguidos pela Colômbia, com 57%, e pelo Brasil, com 53%.

Já os dados compartilhados com as companhias aéreas geram menor preocupação em âmbito mundial, apenas 34% dos entrevistados – e 39% dos brasileiros ouvidos – afirmaram que uma violação de seus dados possa ocorrer.

Além disso, as empresas de utilities, que fornecem serviços vitais (água, energia, gás) com 45%, o setor de saúde (42%); e o varejo (42%) não são percebidos como sendo tão vulneráveis em todos os países participantes da pesquisa.

Para os norte-americanos, o varejo é o setor mais propenso a sofrer alguma violação de dados nos próximos 12 meses. Esta preocupação está intimamente ligada aos recentes casos de violações de dados de clientes envolvendo grandes redes de lojas daquele País. No Brasil, o varejo foi mencionado como a terceira indústria mais vulnerável a ataques cibernéticos (55%).

Na América Latina, a percepção da vulnerabilidade das empresas de telecomunicações também se destaca. Mais de dois terços (71%) dos colombianos disseram ser provável que ocorra uma violação de dados no mercado de telecomunicações no próximo ano, 4% a mais que no Brasil. Já os mexicanos (52%) têm a percepção de que os dados retidos pelo setor financeiro são os mais suscetíveis a uma violação nos próximos 12 meses, seguido de perto pela preocupação com as empresas de telecomunicações (51%).

“As empresas precisam, em caráter emergencial, repensar a maneira como lidam com dados de clientes e cidadãos. Os resultados da pesquisa mostram claramente essa apreensão por parte das pessoas. As ameaças vêm de todos os lados (interna e externamente) e os criminosos cibernéticos vêm aumentando o nível de sofisticação de seus ataques. Por isso é fundamental investir em medidas preventivas, como a adoção de tecnologias que permitem segregar redes para que o acesso às áreas que armazenam dados confidenciais seja restrito a usuários autorizados”, afirma Italo Cocentino, diretor de programas estratégicos da Unisys para América Latina.

“O crescimento do roubo, perda ou outra violação de dados tem impacto direto nas receitas, na imagem e na reputação das empresas. Por isso, é importante mensurar o quanto os brasileiros têm sido afetados, qual a percepção deles e quais os segmentos considerados mais vulneráveis para que possamos construir estratégias de segurança melhores e específicas para a necessidade de cada negócio”, conclui Cocentino.

A pesquisa completa está disponível no site Unisys Security Insights.

Unisys Security Insights

Unisys Security Insights é um estudo global realizado anualmente e que fornece informações sobre as atitudes dos consumidores em diversos aspectos. Conduzido todos os anos em 12 Países pela Lieberman Research, o levantamento contemplou entrevistas com aproximadamente 11.000 consumidores em 12 países. Na América Latina, a pesquisa foi realizada entre abril e maio de 2015 com 2.534 entrevistados, com idade acima de 18 anos (1.026 no Brasil, 998 no México e 510 na Colômbia). Para mais informações, acesse: www.unisys.com/securityinsights  

Sobre a Unisys
A Unisys é uma empresa global de tecnologia da informação que auxilia organizações a solucionar os mais complexos desafios de TI e de negócios. Com mais de 20.000 funcionários atendendo clientes no mundo, nossas ofertas incluem serviços de cloud e infraestrutura, serviços de aplicações, Business Process Outsourcing e tecnologia de servidores high-end. Para mais informações, visite www.unisys.com.br

Siga a Unisys nas redes sociais: LinkedIn, Facebook e Twitter.